,
07/09/2017 13h17

Missionários chineses são expulsos do Paquistão

Governo chinês luta para lidar com a disposição de cristãos chineses de pregar o evangelho em países parceiros de negócios



O desejo da China em abrir as portas para negócios com o Ocidente e outros lugares trouxe "problemas". Os missionários chineses estão colocando o governo chinês em uma difícil posição. É o caso de dois jovens chineses que viajaram para o Paquistão como professores de idiomas. Meng Lisi, de 26 anos, e Lee Zingyang, de 24, desapareceram em Quetta, capital da província paquistanesa de Baluchistão, em 24 de maio. O Estado Islâmico reivindicou a responsabilidade por sequestros e mortes deles em 8 de junho.

Depois de serem mortos, as autoridades paquistanesas os acusaram de serem pregadores que abusaram do visto de negócio que possuíam. Depois disso, o sul-coreano que criou a escola de idiomas onde os dois trabalhavam, Juan Won-seo, recebeu ordens para deixar o país, assim como outros 11 cidadãos chineses que também faziam parte do grupo missionário.

O incidente foi desconfortável para o governo da China. Fenggang Yang, um especialista em religião chinesa da Universidade de Purdue nos EUA, disse à BBC: "[As autoridades chinesas] pensavam que o cristianismo era uma religião ocidental importada para a China, então, como você pode exportar o cristianismo da China? Isso é algo novo e as autoridades chinesas ainda estão pensando em como lidar com isso."

Pequim precisa ser visto como capaz de proteger seus cidadãos à medida que se torna global. Em especial, porque empresários, trabalhadores e estudantes chineses estão viajando e se estabelecendo no Paquistão e em outros países. Um número cada vez maior de chineses viaja para Quetta, como parte do Corredor Econômico China-Paquistão (CPEC), projeto de 57 bilhões de dólares americanos, que visa restabelecer uma parceria econômica entre os dois países.

Pedidos de oração

-    Ore pelos cristãos chineses, que aceitaram o chamado de Deus para pregar o evangelho.

-    Interceda pelos missionários, para que sejam protegidos pela mão do Senhor.

-    Peça a Deus que toque o coração dos governantes dos dois países.

 

Fonte: Portas Abertas |