,
29/01/2018 10h12

PASTOR É ENCONTRADO MORTO NA ÍNDIA.

O pastor Daniel desenvolvia seu ministério há dez anos, sempre sob ameaças de extremistas hindus e moradores da aldeia



No último sábado (20), em Adaiyalachery, no distrito de Canchipuram, na Índia, o pastor Daniel foi encontrado morto, pendurado em uma corda amarrada no teto da casa onde morava. A casa era, na verdade, apenas um cômodo ao lado da igreja. A polícia inicialmente declarou o caso como suicídio, mas os familiares de Daniel e os membros da igreja alegam que ele foi assassinado e depois pendurado.

“Ele foi ameaçado várias vezes por extremistas hindus para não continuar seu ministério. Temos certeza de que eles o mataram”, afirma um dos parentes. De acordo com relatos de pastores locais ligados a membros da igreja do pastor Daniel, seu corpo foi encontrado por um membro que foi limpar a igreja de manhã.

O corpo do pastor foi levado para o hospital para fazer exame de óbito. Cristãos se reuniram em frente ao hospital e declararam greve. Eles realizaram uma reunião em que apontaram a negligência da polícia e das autoridades locais. O funeral foi realizado no dia 23 nas dependências da igreja, sob protestos dos hindus, que dizem que o terreno da igreja tem questões judiciais.

O pastor Daniel desenvolvia seu ministério no vilarejo há dez anos, e sua igreja contava com cerca de cem membros. Os membros da igreja dizem que ele sempre enfrentou oposição não somente dos hindus, mas dos moradores da aldeia. Alguns anos atrás, esses opositores quebraram o teto da igreja e também cortaram os canais de água e os fios de eletricidade. O pastor registrou uma reclamação contra cinco pessoas, mas nada foi feito, e ele continuou sendo ameaçado.

Neste dia em que se comemora o Dia da República na Índia, ore para que os cristãos perseguidos tenham liberdade para expressar sua fé. Que a morte de cristãos, como do pastor Daniel, seja mais um motivo de fortalecimento para a Igreja Perseguida e de despertamento para que a igreja livre se coloque de joelhos em favor dos perseguidos por sua fé.

 

 

 

Fonte: Portas Abertas